Todos ao parque

CAPICUA

MC quer dizer Maria Capaz! Apologista da espontaneidade e cultivando uma clara atitude feminista, Capicua já conquistou um público muito diverso e o reconhecimento da crítica, plena de energia vital e poesia convertida em música contribuindo sempre para a destruição dos estigmas associados ao Rap no nosso país. Socióloga de formação, é conhecida pela sua escrita exímia, emotiva e politicamente engajada.

Apresentou muito recentemente o seu mais recente álbum, “Madrepérola”. Uma clara alusão à maternidade, já que foi gravado durante e depois de uma gravidez e ele próprio um processo de longa gestação. Como um parto é um disco de superação e renascimento. O sucessor de “Sereira Louca” vem para renovar o repertório, mas sobretudo o espírito do espectáculo da rapper. Está repleto de colaborações surpreendentes que expandem o universo único de Capicua: Karol Conka, Lena de Água, Camané, Mallu Magalhães entre outros. Os instrumentais são de vários beatmakers de renome como os campeões do mundo de scratch DJ Ride e Stereossauro, Branko, Holly entre outros.

Capicua nasce no Porto nos anos 80, descobre a cultura Hip Hop nos anos 90 (primeiro pelo Grafitti e depois pela música), passando de mera ouvinte a aprendiz de Rapper nos anos 00. Com uma vasta discografia, conta já com um percurso sólido no panorama da música lusófona: duas mixtapes (Capicua Goes Preemo – 2008 e Capicua Goes West – 2013), três álbuns em nome próprio e um disco de remisturas (Capicua - 2012, Sereia Louca - 2014, Medusa - 2015 e Madrepérola - 2020), um disco-livro para crianças em parceria com Pedro Geraldes (Mão Verde – 2016) e um disco luso-brasileiro partilhado com Emicida, Rael e Valete (Lingua Franca – 2017). Tem acumulado colaborações com vários artistas (de Sérgio Godinho a Sara Tavares), bem como diversas conferências, workshops e projetos sociais. De assinalar é também o seu aclamado percurso como letrista (para intérpretes como Gisela João, Aline Frazão, Ana Bacalhau, Marco Rodrigues ou Camané) e a sua actividade como cronista na Revista Visão. Comandante da Guerrilha Cor-de-Rosa, muito se tem dedicado a estimular outras mulheres a construir carreiras longevas e activas no panorama nacional.

Após anos intensos de concertos, com repertório dos discos anteriores, Capicua faz um reset e começa nova tour, com novo disco, nova formação e novo cenário. Corações ao alto para a estreia da Capicua no Summer Opening. Todos ao Parque!

Comprar bilhete